De visita, visitado, visitando...

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Que Horas São?

Quem vem lá???

online

Posts recentes

De regresso...

Seguidinhas...

Andando pela "Montanha Ru...

Uma ida à Motorclassico 2...

Uma ida à Motorclassico 2...

E o Guga?...

Uma ida à Motorclassico 2...

Uma ida à Motorclassico 2...

Voltando a pôr a escrita ...

Voltando a pôr a escrita ...

Quantos São?!?!? Quantos São?!?!

free html counters
Dell Coupons

 

 

 

Outras Visitas

tags

todas as tags

Arquivos

subscrever feeds

Domingo, 20 de Março de 2011

Memórias de um Músico de Baile - Uma história em Catraia dos Assequins (Concelho de Águeda)

 

HM

 

 

 

Noite de verão, arraial ao ar livre.

 

Esse bailarico iria ser animado por dois conjuntos: aquele onde eu tocava e o outro onde eu iria tocar dois anos mais tarde.

 

Como nós chegámos primeiro, fomos dispondo o material na nossa metade do palco, e o "PA" (o conjunto de colunas de som destinadas ao público)montado em cada extremidade.

 

Estávamos nós ainda com a nossa "tralha" toda espalhada, em processo de montagem, quando chegou o pessoal do outro conjunto, malta porreira e com quem ainda hoje mantenho boas relações.

 

E eis que o respectivo teclista, um tipo ainda mais... aaaa... "corpulento" do que o "tal músico de 1m80 de altura e mais de 100 kg de peso" (adivinhem quem  ...), irrompe palco adentro numa corrida aparentemente desenfreada, o que provocou desde logo os nossos protestos bem humorados ("olha lá essa m*******rda!", "cuidado com as patas!", "olha que nos f*****des o material, p***rra!!!"), seguido de uma boa dose de gargalhadas e de uns calorosos cumprimentos.

 

Depois uns minutos de conversas, lá voltámos às nossas tarefas, nós de um lado e eles do outro, entre algumas "bocas" bem-humoradas.

 

Depois de se combinar quem começava e quem acabava o baile, bem como a duração de cada série (uma hora), e ainda alguns "arranjos" entre os vocalistas (pois são normalmente eles quem estão com atenção à receptividade das músicas por parte do público e, como tal, determinam o que a banda irá tocar a seguir), para se evitar repetições de canções, fomos jantar.

 

Começámos nós. E o arraial prosseguiu sem qualquer novidade.

  

Passada uma hora, interrompemos a actuação, para dar lugar aos nossos colegas.

 

E aproveitámos para percorrer as "barraquinhas" do arraial, apreciando os diversos produtos ali à venda.

 

O outro conjunto, a dado momento, começou a tocar a canção "LUA (FEITICEIRA NUA)", de Jorge Fernando.

  

... De repente, demo-nos conta de algo anormal...

 

Não era o vocalista do outro conjunto quem estava a cantá-la, mas sim outro tipo.

 

Mais: em lugar da letra normal ("Lua / Feiticeira Nua / A noite é toda tua / Lua"), ouvia-se algo parecido com

 

LUUUULA!

AH LULA KATALUUUULA!

AH LULA KATALUUUULA!

LULA!

 

Primeiro surpresos , depois a rirmos perdidamente, apercebemo-nos que o vocalista do outro conjunto tinha dado o lugar e o microfone a um deficiente mental que, com voz gutural, entoava aquela espécie de "versão".

 

Não perdemos tempo e fomos para cima do palco "ajudar" o moço! Pois então!!

 

E eis que numa inusitada acção de solidariedade para com o "rapaz", os músicos dos dois conjuntos, num tão poderoso quão afinado coro, cantavam o refrão

   

 

LUUUULA!

AH LULA KATALUUUULA!

AH LULA KATALUUUULA!

LULA! 

 

 

E assim se concluiu mais uma noite de verão, por acaso noite de LULA KATALUUUULA... ooopsss... aaa... arham... quer dizer... de Lua Cheia.

 


 

Visitante
 

Sinto-me:
Música: "Lua (Feiticeira Nua)"
Publicado por Visitante às 12:52
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

GENESIS - FADING LIGHTS