De visita, visitado, visitando...

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Que Horas São?

Quem vem lá???

online

Posts recentes

De regresso...

Seguidinhas...

Andando pela "Montanha Ru...

Uma ida à Motorclassico 2...

Uma ida à Motorclassico 2...

E o Guga?...

Uma ida à Motorclassico 2...

Uma ida à Motorclassico 2...

Voltando a pôr a escrita ...

Voltando a pôr a escrita ...

Quantos São?!?!? Quantos São?!?!

free html counters
Dell Coupons

 

 

 

Outras Visitas

tags

todas as tags

Arquivos

subscrever feeds

Domingo, 26 de Agosto de 2007

Nevoeiro - Uma reflexão...

DR

 

 

Manhã de um domingo de Agosto, Lisboa.

 

O meu carro vai  percorrendo lentamente a Avenida Infante D. Henrique, entre o Parque das Nações e Santa Apolónia, enquanto eu o conduzo naquele estilo muito "nosso" português: uma mão no volante, a outra pendendo no lado de fora da janela.

 

Estou... como direi?... estou a gozar um momento de descontracção...

 

Tinha acabado de levar o meu "chaveco vermelho" (alguém o chama assim) à lavagem automática, para lhe retirar os resquícios de uma recente viagem de longo curso feita em tirocínio pelo meu filhote com alguns amigos ao Minho (pois... o Festival de Paredes de Coura...). Ao que parece, todos se portaram bem, tanto o filhote, como os amigos, como o "chaveco".

 

Mas dizia eu que percorro lentamente a Av. Infante D. Henrique.

 

Um banco de nevoeiro baixou sobre o Rio Tejo.

 

Eu gosto de ver os bancos de nevoeiro quando pousam sobre o rio. Desde garoto que eu fico sempre fascinado com o efeito provocado pela ilusão de óptica, em que as coisas parecem pairar fantasmagoricamente no ar...

 

Foi assim que eu vislumbrei aquela "agua furtada" de aço em forma de paralelepípedo. Tratava-se de uma ponte de comando, a única parte visível de um navio mercante de apreciáveis dimensões.

 

Isso levou-me a pensar na perspectiva em  que as coisas podem ser vistas: o que, por um lado, salta ostensivamente ao nosso olhar, e o que, por outro, sabemos existir mas não conseguimos ver...

 

... e, num caso de nevoeiro, correndo o risco de ficarmos esmagados pela dimensão do que não conseguimos ver...

 

 

Tenham um resto de bom domingo

 

Visitante

Sinto-me:
Música: "Sailing" (Christopher Cross)
Publicado por Visitante às 12:39
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
4 comentários:
De carmemzita a 26 de Agosto de 2007 às 15:17
Quanto trabalho!!!
Nestes dois dias fartaste-te de blogar, de fotografar e de viajar...
Se eu soubesse como se faz, dedicava-te agora uma Bola de Cristal em Ouro...Tipo Óscar.
Para o verdadeiro e completo artista, que te vens
revelando. Ele é Poesia, Prosa, Música. Resumindo e concluindo: "Um Verdadeiro Artista"... ainda não te vi dançar, nem pintar...só a manta rsrsrs
Mas que nasceste pra música, nasceste.
Parabéns poe essas multiplas facetas que aqui vais revelando, e pela magia que vais encontrando na vida.
Um beijinho
CarmenZita
De Visitante a 26 de Agosto de 2007 às 21:16
Olá, Cigana Linda

Quanto à pintura:

Ainda fiz uma tentativa, que divulguei num post de 30 de Abril, e que podes ver aqui: ( http://visitante.blogs.sapo.pt/24717.html).

Essa obra de arte foi até criticada por um Crítico de Arte que surgiu do nada e ao nada regressou...

Quanto à dança:

Quero dizer-te que sou um dos maiores especialistas mundiais na disciplina de "bailado-estátua", variante "pés-de-chumbo"...

Beijinho
Visitante
De carmemzita a 27 de Agosto de 2007 às 20:35
Como eu ri...é bom rir, pelo teu quadro dentro!
Que beleza de cores!
Que alegria!
Que comentários sabidos! ou sabões, como queiras.
Que crítico de arte tão suspeito, e tão a jeito...
Enfim! Picasso ao pé dessa obra, não passa duma sombra.Por isso amigo. Não pares! Continua!Eheheh!
Quanto à dança, digo-te:
Fazer de estátua, para mim é bué difícil!...rsrsrs
Enfim, também não se pode ser perfeito.
O teu dom é a MÚSICA.
Beijinhos
CarmenZita
De Visitante a 28 de Agosto de 2007 às 10:34
Olá de novo, Cigana Linda

Obrigado pelas tuas gargalhadas.

Bem vês... já foi bom ter um Crítico de Arte a comentar um rabisco digno de fazer inveja a artistas consagrados.

Picasso que se cuide! Dali que feche os olhos! Tomás Taveira que abra um buraco no chão (convém que use uma escavadora...) e se esconda!

Visitante e o seu "Caos em Mosaico" chegou e assentou tijol...aaa...quero dizer... arraiais !!!

hehehehe

Beijinho
Visitante



Comentar post

GENESIS - FADING LIGHTS