De visita, visitado, visitando...

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Posts recentes

De regresso...

Seguidinhas...

Andando pela "Montanha Ru...

Uma ida à Motorclassico 2...

Uma ida à Motorclassico 2...

E o Guga?...

Uma ida à Motorclassico 2...

Uma ida à Motorclassico 2...

Voltando a pôr a escrita ...

Voltando a pôr a escrita ...

 

 

 

Outras Visitas

tags

todas as tags

Arquivos

subscrever feeds

Domingo, 20 de Março de 2011

Memórias de um Músico de Baile - Uma história em Catraia dos Assequins (Concelho de Águeda)

 

HM

 

 

 

Noite de verão, arraial ao ar livre.

 

Esse bailarico iria ser animado por dois conjuntos: aquele onde eu tocava e o outro onde eu iria tocar dois anos mais tarde.

 

Como nós chegámos primeiro, fomos dispondo o material na nossa metade do palco, e o "PA" (o conjunto de colunas de som destinadas ao público)montado em cada extremidade.

 

Estávamos nós ainda com a nossa "tralha" toda espalhada, em processo de montagem, quando chegou o pessoal do outro conjunto, malta porreira e com quem ainda hoje mantenho boas relações.

 

E eis que o respectivo teclista, um tipo ainda mais... aaaa... "corpulento" do que o "tal músico de 1m80 de altura e mais de 100 kg de peso" (adivinhem quem  ...), irrompe palco adentro numa corrida aparentemente desenfreada, o que provocou desde logo os nossos protestos bem humorados ("olha lá essa m*******rda!", "cuidado com as patas!", "olha que nos f*****des o material, p***rra!!!"), seguido de uma boa dose de gargalhadas e de uns calorosos cumprimentos.

 

Depois uns minutos de conversas, lá voltámos às nossas tarefas, nós de um lado e eles do outro, entre algumas "bocas" bem-humoradas.

 

Depois de se combinar quem começava e quem acabava o baile, bem como a duração de cada série (uma hora), e ainda alguns "arranjos" entre os vocalistas (pois são normalmente eles quem estão com atenção à receptividade das músicas por parte do público e, como tal, determinam o que a banda irá tocar a seguir), para se evitar repetições de canções, fomos jantar.

 

Começámos nós. E o arraial prosseguiu sem qualquer novidade.

  

Passada uma hora, interrompemos a actuação, para dar lugar aos nossos colegas.

 

E aproveitámos para percorrer as "barraquinhas" do arraial, apreciando os diversos produtos ali à venda.

 

O outro conjunto, a dado momento, começou a tocar a canção "LUA (FEITICEIRA NUA)", de Jorge Fernando.

  

... De repente, demo-nos conta de algo anormal...

 

Não era o vocalista do outro conjunto quem estava a cantá-la, mas sim outro tipo.

 

Mais: em lugar da letra normal ("Lua / Feiticeira Nua / A noite é toda tua / Lua"), ouvia-se algo parecido com

 

LUUUULA!

AH LULA KATALUUUULA!

AH LULA KATALUUUULA!

LULA!

 

Primeiro surpresos , depois a rirmos perdidamente, apercebemo-nos que o vocalista do outro conjunto tinha dado o lugar e o microfone a um deficiente mental que, com voz gutural, entoava aquela espécie de "versão".

 

Não perdemos tempo e fomos para cima do palco "ajudar" o moço! Pois então!!

 

E eis que numa inusitada acção de solidariedade para com o "rapaz", os músicos dos dois conjuntos, num tão poderoso quão afinado coro, cantavam o refrão

   

 

LUUUULA!

AH LULA KATALUUUULA!

AH LULA KATALUUUULA!

LULA! 

 

 

E assim se concluiu mais uma noite de verão, por acaso noite de LULA KATALUUUULA... ooopsss... aaa... arham... quer dizer... de Lua Cheia.

 


 

Visitante
 

Sinto-me:
Música: "Lua (Feiticeira Nua)"
Publicado por Visitante às 12:52
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos