De visita, visitado, visitando...

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Posts recentes

MAR (Poema de Carla Marti...

Uma Glosa que deu em Disp...

Outras Visitas

tags

todas as tags

Arquivos

subscrever feeds

Terça-feira, 25 de Novembro de 2008

MAR (Poema de Carla Martins)

HM

Praia do Guincho (Cascais), 16 NOV 2008

 
 

Fui ao espaço que a "anónima" Carla tem no MSN e, com a sua autorização, "roubei-lhe" este bonito poema.

 

MAR
 
Desenhando sombras
de um mar sem fim
azul suave...carregado
rodopio de ondas,
afastam e voltam assim
como se fossem um bailado.
Ondas abraçam a areia,
serenamente murmuram sons
a dança deslumbrante...
a música calma em mar vagueia...
notas silenciosas em tons,
formando uma pauta brilhante.
Fecho os olhos para sentir
plenamente este som,
que se afasta sem falar
e lentamente, sem pedir...
pauta feita ondulada em tom,
foge, perfeita, sem tocar
 
(Carla Martins)

 

 

Gostei muito deste texto.

 

Beijinho, Carla

 

 

Visitante 

 

Sinto-me:
Música: "Canção do Mar"
tags: , , ,
Quinta-feira, 26 de Abril de 2007

Uma Glosa que deu em Disparate...

 
Um dia, alguém escreveu algo acerca de um "poema" meu. Nessa altura, "inventei" uma glosa onde ela não existia e escrevi um disparate, que a seguir transcrevo:
 
 
Glosa:
Tens de continuar a brindar-nos
com mais divagações tuas
que resultam em belos escritos
 
 
Ora vamos lá puxar pela cabeça
Arranjei aqui um belo sarilho
Uma glosa de alguém em cima da mesa
E a minha inspiração não entra no trilho
   
"Tens de continuar a brindar-nos"
Pois sim,  mas que rima "arranjarmos"?...
   
Passo a mão pela cabeça calva
Num gesto há muito repetido
de ver
Olho com desespero para uma folha alva
E penso "estou ............................."
(ooops isto não posso escrever!!!)
  
Ao menos ninguém amua
"com mais divagações tuas"...
 
Levanto os olhos ao céu
Clamo às Musas por inspiração
Mas por mais que faça escarcéu
O cérebro diz-me que não...
  
E alguém declarou estes gritos
"que resultam em belos escritos"?!??
 
 
 
Visitante
Sinto-me:
Música: "Poesia Louca" (Alfredo Marceneiro)